ÉRAMOS JOVENS

sábado, 3 de setembro de 2016

Enquanto isso no face...

             
            E as coisas só se repetem...    já comecei a escrever uns bocados de vezes e deleto, excluo, não salvo o texto e descobri o motivo: MAIS DO MESMO.
            Um 'mesmo' chato, pessoas aparentemente tão ‘descoladas’, mostram que não são mais do que personagens. Eu aceito sua liberdade de pensamento, desde que, seja igual a minha! (????); se me contrariar, não é meu amigo?  São liberais, pero no mucho! Vejo crescer a intolerância GERAL.
            Em menos de um ano, um amigo (amigo mesmo) já ameaçou duas vezes (que eu tenha visto) retirar os ‘desafetos’ de sua página social, aqueles que politicamente gostam de A, que por favor excluam ele, visto que ele é a favor do C e não aceitará quem diga o contrario em sua rede social! (OXI) Kkkkkkkkkkk Hoje, me saiu de novo com: ‘aqueles que gostam de polícia, por favor, o exclua.” Fudeu! Penso que a polícia é necessária, e agora?? Não contem para ele! 
            Oxi! Kkkkkkkkkk eu hein! Ainda pensei em cutucar, em provocar, mas não... em ‘redes sociais’ tudo fica muito maquiado! São muito poderosos, são muito apaixonados, levam a ferro e a fogo qualquer postagem. E eu que pensava que era maluquinha! Se eu disser para ele que não chamo o batmam quando me assaltam à mão armada, que chamo é a polícia, afff! É capaz dele nunca mais falar nada comigo... kkkkkkkkkkkkkkk
            Eu tenho em minha página todas as religiões e seus membros, pseudos capitalistas, pseudos comunistas e dois socialistas DE FATO. Tenho gay (homem e mulher), tenho roqueiros, bicho grilo, muambeiro, ateu e professor.
            Dentro do que chamo de afinidades, as tenho com TODOS. Não é porque a posição quanto à política não é a minha que vou deixar de gostar da pessoa, POR OUTROS MOTIVOS ela está na minha página, ou o que o outro pensa sobre advogados, professores, policiais, artistas plásticos vai fazer com que eu goste mais ou menos da pessoa. Eu respeito cada um, e o grau de gostar mais ou menos, eu defino ali no botão que está do lado da foto da pessoa: MELHOR AMIGO, AMIGO, CONHECIDO, FAMÍLIA ou outro...rsrsrs. Amo esse OUTRO.

            Claro que a irritabilidade também me ataca, assim como um pseudo comunista fica indignado por eu achar o MORO lindo, eu fico PUTA por acharem o SR. MOLUSCO um santo! E aí? Vou tirar todos que são simpatizantes do molusco e da baderna da minha página? NÃO! Claro que não! A baderna é necessária seja qual for a causa.  Eu sou totalmente contra o ECA, e trabalho numa escola!!! Então, tenho que fazer do ECA a minha bíblia? Lamber o chão onde o menor (uma ova!) infrator pisa?? Não! Eu posso sim, não concordar! Eu posso e eu devo, por isso sou chamada SER PENSANTE! E fiz SERVIÇO SOCIAL, sim, pois nem todo assistente social tem que ser comunista, contra militar e ser chato; ao contrário tem que ser JUSTO, a começar POR SI; o serviço social luta contra a ALIENAÇÃO e favor de direitos, porra meu! Será que só o Serviço Social de Cuba e Coréia do Norte são os que prestam??? E lamentável e infelizmente, são seus profissionais os mais atacados por esta alienação, pois... precisam do emprego, precisam de seus benefícios, estamos muito distante da teoria, como em tantas outras funções; o que aprendi nos 4 anos de curso, não é nada do que vejo na prática, mas que é um lindo curso, isto é... bom, depois falo disso. E por favor... A VOZ DO POVO? Cuidado. Nunca foi o povo quem decidiu nada, e do jeito que andamos, serão cada vez mais blocos fragmentados aqui e ali se matando entre si e os tais detentores do poder, NEM AÍ... todos se lixando! "E eu aqui na praça, dando milho aos pombos"...rsrsrs.
LOYRA*SP

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

e... definitivamente!


Não conhecia Martha Medeiros até que alguém muito querido me disse que meu jeito de escrever a lembrava. Fui procurar quem era... putz, que honra. 
Hoje coloco aqui um texto que encontrei e que, de fato, bem poderia ter sido eu a escrever. Concordo com ela, mas ainda acho que as pessoas, como diz meu 'amigo íntimo' dão suas cabeçadas, não são claras, se frustram e culpam O OUTRO por conta de suas desilusões. Eu, aqui e ali, ainda fico chateada com a postura de pessoas que julgo próximas a mim e do nada, ou por conveniência, se afastam e usam das desculpas mais esquisitas... bom, quem viver verá e este assunto é para outro texto. Bjs. LOY

"Definitivo

Definitivo, como tudo o que é simples. Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram. 

Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos. Por todos os beijos cancelados, pela eternidade. 

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender. 

Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada. 

Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar. 

Por que sofremos tanto por amor? O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.

Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um verso: Se iludindo menos e vivendo mais!

A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade. 

A dor é inevitável. O sofrimento é opcional..."

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Até quando Deus quiser


"No alvorecer bem-te-vi vem cantar na janela
Lembra meu tempo, quem dera
Voltar, começar a crescer
A meninice voou como um raio que passa
Deixando luz e fumaça
De quem é feliz sem saber
Hoje a saudade invade os olhos da gente
E o corpo todo ressente
É como pisar sem ter chão
Uma nascente lava o olhar de quem fica
Dói feito tiro no peito
De jeito sangra o coração
Olho pros campos, brotar teu amor nessa terra
Lírios, acácias e heras
E o canto de um sabiá
No teu silêncio cresce teu fruto e a beleza
De quem viveu a certeza
De ter a paz onde está
O tempo se cumpriu
Nas linhas da tua mão
Até quando Deus quiser
Saudade no coração."

Para meu eterno amor...
LOYRA*SP

terça-feira, 22 de setembro de 2015

'MAIS' DE ALZHEIMER II


Que lilás seja também outubro, novembro, dezembro e todos os dias de todos os meses do restante de nossas vidas.
“Em 2030 serão no mundo, 76 milhões de pessoas com a Demência de Alzheimer.” – Foi o que li.. não sei se estarei por aqui e nem consciente ou não, visto que, se estava na genética de minha mãe, não tô longe... kkkkkkkk sai de dentro dela. A genética do meu pai? Câncer que o levou aos 56 anos... logo, sei lá em 2030, né? Sem falar que não me ocupo em me cuidar, assumo! Rsrsrs
A questão é que isso em facebook não dá curtida, não dá compartilhamento, talvez uma tragédia, fofocas, brigas de partido, eu linda e gostosa aí sim... todo mundo quer ver, ler, dar seu pitaco, olhar e não falar nada, para não me “dar cartaz” mas quando falamos em VELHICE, nossa! Que horror. O mais "resolvido" ser, finge que não viu. Não queremos saber de velhos, doenças, fraldas geriátricas, horários, remédios. Nossa covardia não permite aceitar uma doença, e mais uma vez falo da minha VIVÊNCIA e não do que ouvi, me contaram ou li. Eu relutei da desconfiança médica em 1999 até a constatação em 2000/2001; a aceitação foi trabalhada nestes dois anos, e quando a médica fez o laudo que pedia a interdição judicial, morri um pouco. Na mesa da promotora eu chorei, eu desabei, lembro que fiquei mais de uma hora num papel de 5 minutos, a promotora me deu chá, me acalantou, me falou de outros casos, e disse que era difícil e ao mesmo tempo emocionante ver a minha dor de filha; coisa que ela não via em questões de interdição de idosos.
No fundo gente, é mais confortável para NÓS, NÃO TERMOS QUE NOS PREOCUPAR... ué, e nossos bebês, crianças? Não estamos alerta o tempo todo? Eles nascem sem andar, falar, não sabem comer, pedir... então por qual motivo nos lamentamos tanto quando são bebês grandes? Não achamos tão fofo ter que ensinar a criança a andar, comer, trocar suas fraldas, passar noites e dias acordados em médicos, em consultas. RESPONDAM-ME, QUAL A DIFERENÇA? ............................................. ah já sei, a diferença é que o bebê foi nossa opção, né? E o idoso... ah que saco! No fundo é o que sinto da maioria das pessoas, ah FREUD.. acho que nem você explicaria.
Existe muita surpresa ainda com o Alzheimer, mas qual doença é boa? Parece que as pessoas preferem ver seus idosos travados, mas conscientes, já pararam pra pensar que eles com uma doença grave e conscientes sofreriam muito mais do que sem lembranças? Imagine você travado numa cama e ciente de tudo que NÃO PODE MAIS, você ciente de que tudo o que precisa dependerá de outro... ah me perdoem, até hoje quem me conhece sabe que falo de todo coração, agradeço a Deus, por minha mãe não saber, depois da fase II, de NADA! Ufa. Ela não suportaria ficar a mercê de outro em sã consciência.

LOYRA*SP

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Mais de Alzheimer

(para quem cuida)
Facetas do doutor Alzheimer...
“vocês colocaram veneno na minha comida, pensa que não sei??”
Poxa, essa foi a fase inicial de mamãe... tudo tinha veneno, o pior é que os mais próximos a nós acreditavam... Alzheimer não era tão divulgado, e minha mãe era pessoa confiável, então... até em delegacia de polícia paramos! Fomos denunciados por MAUS TRATOS, nós que amávamos mais que nenhum filho nesse bairro amava seus pais... vejam vocês.
No dia e hora estipulados pela delegacia da mulher, lá estávamos com mamãe, que graças a Deus, NAQUELE DIA, não estava tão confusa! Mas... toda arranhada por um gato bebê que apareceu em casa e ela adotou... dormia com ele, comia com ele em cima da mesa, olha gente... o caos! Kkkkkkkkkk Ele não queria ir no colo, ela forçava e ele a arranhava, com isso.... os braços arranhados, marcados..., e assim fomos para a delegacia. A doutora chamou, entramos, mostrei os laudos e a petição de interdição, a Doutora conversou muito com a gente, até para “pegar algum deslize”, e depois foi ter com mamãe, que graças a Deus disse que comia bem, que amava a gente e que nunca fizemos nada a ela.
- Dona Maria, seus filhos machucam a senhora?
 - Nããããão! Meus filhos são maravilhosos, são minhas preciosidades! Nossa, nem pensar!
A Delegada viu o braço dela, e sabia que aqueles arranhões não eram de unhas humanas, eram riscos finos, falamos do gato e ela disse: “Sim, estou vendo que não foram vocês!”
Feito os tramites, a delegada que esqueci o nome, mas é a primeira delegada da delegacia da mulher de SÃO PAULO, muito respeitada, ela nos disse que entendia nossa situação, mas assim como a nossa situação não era de maltratar a mãe, outras eram, e eram casos graves, então era a obrigação dela, e blábláblá... e que ela estava vendo que mamãe estava corada, bem vestida, cheirosa, e o chá de cadeira que nos deram, era justamente para ver nossa reação ao lidar com ela... rsrsrs... o tempo que esperamos, mamãe dizia: VAMOS EMBORA AGORA, aos gritos! Kkkkkkkkkkk E a gente pegava ela, dava uma volta na sala de espera, ela conversava com todo mundo, achava que estava com roupas pra lavar em casa e não podia ficar ali não... kkkk ao terminar a volta, a gente sentava e ela esquecia de ir embora.
Ainda havia uma tal “fumacinha” que mamãe dizia que colocávamos no quarto dela para ela dormir, aquilo era macumba, a gente colocava ela pra dormir para pegar ‘as coisas’ dela! Sem falar nas panes! Ela deitava e ficava gemendo... sem motivo. Pressão boa, diabetes no nível bom, e ela deitada, de olhos fechados propositalmente e gemendo... que desespero! Chamávamos nossa tia que morava perto, fazíamos chá, orávamos... e NADA! Até que do nada ela acordava e não lembrava de nada.
Minha família chegou a cogitar possessão demoníaca, olha gente, que sofri, viu? Lá vinha o católico com agua benta, o protestante com a bíblia, e tome a orar na mamãe, tadinha... era só MAL DE ALZHEIMER! Como ela sofreu... muito mais que eu, que nossa família! É como digo no texto anterior... dentro deles, dos portadores de ALZHEIMER, deve se passar O PÂNICO! E cabe a nós tentarmos nos colocar no lugar...
Então, caríssimos, isso e muito mais aconteceu. Falar tudo de uma vez, dá um livro, que estou providenciando...

Beijos.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

'Alguém que queira CUIDAR'

(O que vai ficar na fotografia, são os laços invisíveis que havia - Leoni)
     Cuidar e ser cuidado é coisa séria, não penso que seja algo para se falar a qualquer pessoa... quando você diz isso, TEM QUE HONRAR. Ou então... morra! Né?
Olas pessoas, tenho muito a falar... mas tempo anda bem curtinho, combinando direitinho com meu salário... 
Aos cuidadores de idosos com Alzheimer ou demência, qualquer que seja ela:
     Tentem rir... fazendo as contas dos meus 15 anos de convivência direta, vi que somei mais risos do que tristeza, frustração e pessimismo. Quando leio as vidas, as vivencias, as experiências tão próximas à minha, reconheço-me em cada um e penso o quão bom seria ter esse dispositivo na época da minha rainha! Ai lembrei que no meio do caminho, já havia, quem não tinha tempo era eu...  e mais: o pouco tempo que eu tinha livre, queria ficar com ela, aproveitar, já que a morte é certa para todos nós, mas com ela já tinha um tempo previsto, e ainda alongamos esse tempo em 5 lindos anos!
     Houve brigas? Muitas... mas como todo pai e mãe, sempre longe do nosso bebê, para que ela não sentisse a energia pesada!
     Problemas financeiros? Nome bonito para “falta de grana”. Um atrás do outro, mas o conforto PARA ELA não deixou de existir um dia sequer, a construção de uma casa totalmente adaptada para um idoso foi nossa maior prova de fogo e prova MATERIAL do quanto a amamos, nada nem ninguém tirou nosso foco. Dois anos depois de sua partida, os resquícios e respingos das dívidas estão bem aqui na minha cara, mas ..... E DAÍ? Se existe uma pessoa que deita e dorme tranquilamente sou eu, e desculpem a falsa modéstia, deito, durmo, levanto ORGULHOSÍSSIMA !
     O ‘autocuidado’ (que não sei se é junto, separado, divorciado, com ou sem hífen), é essencial para você que tem alguém com Alzheimer! Tente viajar... em minha casa, viajávamos NO MÍNIMO uma vez a cada dois meses... se eu ia só? Não! Como você deixaria um filho dependente e faria suas malas para ir sem ele? Eu ia com minha mãe. Era uma mala de fraldas, uma de roupas de frio, outra de roupas de calor, uma de remédio, e bora! Aeroporto? Vixe, sempre pagamos o excesso; ué... fazer o que? Paga aí! Depois a gente vê! Kkkk No lugar, fosse um chalé em Aguas de Lindóia ou num resort em Aracajú, descansava eu do trabalho, descansava quem me ajudava e além de tudo, passávamos TODO O TEMPO COM MAMÃE, justamente para depois não dizer como ouço de outras pessoas por aí: “EU DEVIA TER ME DADO MAIS TEMPO”
     Evidente que nem todos tem um trabalho como o meu, que possa se afastar sem perder o vínculo. Se eu pensasse em aposentadoria, já ia dever 5 a 6 anos de afastamento... e? Trabalhar esse tempo teria tirado hoje minha razão de viver...  ainda quero um dia, sair por ai apoiando em palestras, grupos, as pessoas, que como nós, vivem a dor e a delícia de cuidar DE VERDADE de alguém! E não é o cuidado OBRIGATÓRIO, pois não são nossos filhos, que optamos por ter ou não! São pais, mães, irmãos, tios, esposos, esposas, enfim...
CUIDADOR , entenda que você é um privilegiado: um dia alguém cuidou de você, e agora você cuida por amar, por ‘ter cuidado’ com alguém que não planejou isso, que não escolheu, que não sabe nem quem é ele mesmo! Você já parou para pensar nisso? 
     Você, nos momentos de lágrimas escondidas, no desespero de ver ‘as estranhezas’ praticadas por essa pessoa, já se colocou no lugar? 
     E se fosse você a não se reconhecer no espelho? 
     E se fosse você, a levantar e não saber mais onde é o banheiro, a mesa e nem para que servem. 
     E se fosse você que na hora de comer, não sabe mais para que serve o talher, o prato, a própria comida? 
     E se fosse você a depender de alguém para trocar sua fralda, tirar você do incomodo do xixi, lhe dar o banho,  ficar com você até na hora do NÚMERO 2, ali, esperando pra você não fugir com as calças nos pés, pois você não tem a menor noção do que seja isso? 
     E se você tivesse que tomar um remédio e não tem quem o colocasse em sua boca?  
     E a sede? Eu amo agua, e se não tiver quem coloque uma aguinha na nossa boca??  Você não gostaria de um abraço, mesmo sem saber exatamente quem é aquela pessoa??? Será que você não se sentiria melhor, protegido,  recebendo um sorriso, um abraço, um mimo, um beijo??
     Pensar assim, muitas vezes me fez levantar do sofá, do computador, sair do trabalho fora da hora para ver MINHA RAINHA, e mesmo com alguém me auxiliando, eu pensava: será que trocaram a fralda? Será que deram o remédio? Então eu ligava para casa, e O MEU ABRAÇO? O abraço da filha dela? A empregada poderia dar? Meu irmão poderia dar? Não... eles dariam o abraço DELES! Eu tinha que vir pra casa e dar O MEU!

     Então, temos que exercitar nos  transferirmos um pouco (em meio a contas, remédios, internações, rotina girada a 360º), faz com que nosso cérebro (ainda sem o terremoto do Alzheimer), passe as informações para os outros órgãos e a gente simplesmente CONTINUA ... 
    A MINHA certeza: CADA FRAÇÃO DE SEGUNDO VALEU POR TODA UMA VIDA.
BEIJOS.

sábado, 9 de maio de 2015

INFINITO - Márcio Greick



INFINITO - Márcio Greick
Nós dois andando pelo céu, tudo é tão lindo.
O mundo fica diferente, fica bem distante.
É tudo como se tivesse que morrer agora.
A minha vida está em tuas mãos, senhora.
E quando vejo seus cabelos da cor do sol,
eu sinto que, se quisesse, poderia voar.
Andar pelo horizonte sem mistério
eu vou olhar seus olhos por que são sinceros.
Guarda-me, proteja-me, que sou eu.
Quando te amo, eu sou o homem que chega a Deus.
Na minha viagem pelas estrelas tu terás.
O amor sincero. O infinito que não verás.
Pois o infinito são seus olhos, meu amor.
E quando te amo, eu sou o homem que chega a Deus. Agora pegue as minhas mãos, mas pegue com calor. você não pode recusar, o meu amor que é teu...
Amor Perdoa aquele que está te amando
o mundo não é mais importante que o meu amor.
Que importa saber o tempo que me espera.
A minha vida está em tuas mãos, senhora...
Guarda-me, proteja-me quem sou eu.
Quando te amo, eu sou o homem que chega a Deus...


E quantos de nós não choramos vendo e ouvindo esse cara? Eu, afff! Me debulhava! Para mim, na minha mente de 9 a 12 anos, era para mim que ele cantava! kkkkkkkk